lunes, mayo 15, 2006

Liberdades poéticas

Otra vez Mísia sonando en el blog. De su disco Paixões Diagonais

Liberdades poéticas

(Sérgio Godinho)

Perdoai-me se este fado é feito com
Liberdades poéticas
Não é tanto pela rima ou pelo som
nem pelas frases assimétricas
É apenas que o ciúme violento
Que tanta vez o fado canta
Neste fado é só um lume
Bem mais lento, bem mais brando
Aveludando a garganta

Eu não quis pôr neste fado um novo som
Nem liberdades poéticas
Dá-me a entrada, guitarrista, dá-me o tom
Teu estilo é minha estética
Não porei na minha voz nem um lamento
Se soubessem do meu fado
Meu amor deixou-me um dia
Pus a mão na lage fria
Dei-o assim por enterrado

Mas não há fado que não seja feito com
Liberdades poéticas
Sem buscar na diferença o mesmo som
E o sentir numa outra métrica
E por isso ainda que triste esta alegria
Acompanha o meu trinado
Bate as horas ao meio dia
fazme boa companhia
Pr'á noite cantar o fado

Perdoai-me se este fado é feito com
liberdades poéticas
Não é tanto pela rima ou pelo som
Nem pelas frases assimétricas
Meu ouvido corre aberto pelas ruas
Que será do meu amado
Não me deixa esta amargura
É mais leve que a loucura
E só por isso canto o fado.

No hay comentarios.: